Linguagem corporal nos esportes

Mensagens

Aristóteles disse que o homem é um “animal social” e um “animal linguístico”. Essa convenção está tão ancorada em nossa percepção que é difícil acreditar quando psicólogos afirmam que 90% de nossa comunicação não é verbal.

O significado deste fato é simples – comunicamos e transmitimos muitas mensagens, sem dizer uma palavra. Chazal (os antigos sábios talmúdicos) disse que a vida e a morte estão nas mãos da língua, mas assim que percebermos que 90% de nossa comunicação é não verbal, também devemos estar cientes das mensagens que transmitimos em nossa comunicação não verbal e como eles afetam aqueles ao nosso redor.

Como os atletas ficam melhores?

Os jogadores aprendem a passar, chutar, atirar, atacar, parar, mudar de direção, fechar linhas de corrida e muitas outras habilidades. À medida que melhoram essas habilidades, eles se tornam melhores e mais eficazes no jogo. Eles aprimoram essas habilidades por dois motivos:

Comunicação não verbal nos esportes

Se os psicólogos não se enganam e 90% da nossa comunicação é sim não verbal, por que não aplicar o método de aperfeiçoamento esportivo mesmo em relação à comunicação não verbal? Afinal, essa é uma habilidade crítica para a força da equipe, que também afeta o campo durante o jogo, nos intervalos ou intervalos, no vestiário e nos treinos. O uso da comunicação não verbal no grupo ocorre a cada encontro dos jogadores da equipe e ao longo do encontro. A responsabilidade dos jogadores e treinadores é também, e talvez antes de mais nada, ter consciência de si próprios e aprender a comunicar de forma positiva.

Linguagem corporal negativa e composição da equipe

Eu acredito (principalmente nos departamentos infanto-juvenil) que uma equipe deve dispensar um jogador, não importa o quão bom ele seja, se ele constantemente “envenena” a atmosfera do grupo com uma linguagem corporal negativa. Também acredito que um treinador, por melhor que seja, cuja linguagem corporal regularmente expressa mensagens negativas aos jogadores, não deve treinar crianças e adolescentes.

Linguagem corporal universal

Estudos indicam que a linguagem corporal é uma linguagem universal que atravessa culturas, gêneros ou limitações físicas. Quando um atleta cego vence uma competição, por exemplo, ele levanta as mãos no ar e olha para cima – embora nunca tenha visto ninguém expressar a alegria de vencer dessa forma. Quando aquele atleta cego perde, ele se recompõe, abaixa os ombros e põe as mãos no rosto em um gesto de dor. Tente se lembrar de como os torcedores de futebol reagem à perda de seu time – isso mesmo, todos respondem da mesma forma e “agarra a cabeça” com as duas mãos.

O mito da linguagem corporal positiva

Existe um falso mito que afirma que apenas jogadores com uma linguagem corporal positiva andam eretos, abrem os ombros, olham em linha reta e expressam seus sentimentos com movimentos bruscos e vigorosos. Essa linguagem corporal, afirma o mito, expressa uma atitude vencedora e pode ser vista olhando para vencedores conhecidos como Michael Jordan, Zlatan Ibrahimovic e Cristiano Ronaldo. Esses jogadores são um modelo de fato. Mas não para todos.

Modelos de linguagem corporal

Cada pessoa é motivada por motivações diferentes e a diferença entre as pessoas deve ser respeitada. Portanto, é preciso aceitar também uma linguagem corporal diferente: menos externa, mas presente. Esta linguagem corporal expressa paz de espírito e foco na ação, e é claramente representada por jogadores como Messi, Iniesta, Nowitzki e Tim Duncan. Alguém suspeita que Messi ou Tim Duncan não são Vencedores? Seus colegas de equipe aprenderam como expressam positividade ou atitude vitoriosa, e o mesmo acontece com o público. Há uma grande variedade de expressões de linguagem corporal não-verbal e legítima, e cada jogador pode encontrar o que é certo para ele. O que ele não pode fazer mais nos esportes modernos é não ter consciência de sua comunicação não verbal, ou estar ciente de sua comunicação não verbal negativa – e se apegar a ela mesmo assim.

Comunicação ativa = coesão

Tente uma vez fazer o seguinte experimento: Assistir a um jogo de basquete sem som e preste atenção especial à comunicação não verbal dos jogadores. Em nenhum momento você notará como os jogadores se comunicam por meio de gestos físicos sem palavras: muitas vezes, você verá um jogador erguer as sobrancelhas para indicar ao amigo que está pronto para uma jogada. Um armador virará seu peito em direção ao jogador a quem deseja dar a bola, meio segundo antes da entrega real – e, assim, enviará a ele uma mensagem para estar pronto. O queixo e os olhos também se tornam ferramentas de comunicação eficazes quando as mãos seguram a bola. Preste atenção como o atirador levanta o polegar no ar para marcar sua apreciação após uma boa assistência, ou tapinhas nas nádegas. Todos esses exemplos demonstram a eficácia e o poder da comunicação não verbal positiva. Esse tipo de comunicação atesta um entendimento entre os jogadores e uma alta coesão do grupo. Essa boa comunicação também pode ajudar uma equipe inferior a vencer uma equipe melhor.

A linguagem corporal de cada indivíduo é derivada de seu nível de autoconsciência, personalidade e habilidades mentais. Se você sabe como é difícil mudar hábitos físicos no jogo, como manter o corpo abaixado, manter a estabilidade durante a entrega e examinar a área antes de pegar a bola, você entenderá como é difícil mudar os padrões subconscientes incorporados – padrões de linguagem corporal aos quais nos acostumamos.

Como você muda uma linguagem corporal negativa?

Quando um treinador ou jogador sente que sua linguagem corporal é negativa, eles devem mudá-la. Esta mudança não só vai melhorar o clima nos treinos e jogos, mas também vai deixar a equipe melhor. Qualquer pessoa que possa receber apoio de um psicólogo especializado em comunicação deve fazê-lo.

Se você é um técnico e não pode designar uma escolta aos jogadores, ainda pode conduzir um processo de mudança com base nos seguintes pontos:

  1. Compreensão psicológica – compreender o efeito de uma habilidade específica em seu jogo cria a motivação para trabalhar duro e melhorar
  2. Prática física – eles trabalham duro e assim melhoram
    1. Apresente a importância da comunicação da equipe nas primeiras sessões de treinamento
    2. Aprenda e diagnostique, durante os primeiros treinos, a linguagem corporal de cada jogador de sua equipe
    3. Ao resumir as sessões de treinamento, consulte também o nível de energia. Defina uma escala de pontuação para o nível de energia em que os treinamentos devem ser realizados. Quando a equipe não consegue atingir esse índice, reaja de forma decisiva.
    4. Encontre vídeos de jogadores com linguagem corporal negativa e jogadores com linguagem corporal positiva. Mostre-os aos seus jogadores e analise os sentimentos e mensagens que eles recebem. No primeiro estágio, as análises de uma terceira pessoa são mais eficazes. Encontre exemplos variados e tente evitar o clássico e familiar, por exemplo, Michael Jordan e Cristiano Ronaldo.
    5. Desenvolva uma linguagem mútua com seus jogadores. Depois que eles expressarem identificação com um jogador com uma linguagem corporal positiva, lembre-os, durante os treinos, de como o jogador se comporta ou seu nome
    6. jogadores de cinema que não conseguiram fazer mudanças e editar as expressões negativas da linguagem corporal para criar um pequeno clipe. mostre o clipe a eles em particular e discuta com eles seus sentimentos. Às vezes, tal reflexão faria o truque
    7. Deixe claro que eles podem se sentir “falsos” no início. Que a lacuna entre o que sentem e o que expressam é legítima. Porém, o que eles expressam é mais importante porque afeta a equipe
    8. Se o jogador não foi capaz de se livrar de sua linguagem corporal negativa, encaminhe-o para ajuda profissional e tome uma posição clara sobre o assunto



Source by Ronni Cohen

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *